Farma-E-Flashes

O Farma-E-Flashes traz notícias pontuais sobre exportações de produtos farmoquímicos, apresentando números, principais destinos e curiosidades. (Fonte: Secex)

2020
Farma-E-Flashes – 183
  • Nafta (1): os medicamentos imunológicos (NCM 3002.15) são produzidos por processos tecnológicos de alta complexidade. Embora a produção deles seja reduzida no Brasil, em 2019 enviamos a este grupo econômico do norte (Nafta) US$ 3.272.302,00 dos mesmos. Vale registrar o preço médio desta exportação: US$ 36.358,91/kg (90kg).
  • Nafta (2)   os medicamentos tradicionais (NCM 3003 e 3004), especialmente de alguns tipos, têm um mercado já arraigado no Nafta (Canadá, EUA e México). Com efeito, em 2019 exportamos US$ 187,5 milhões em medicamentos para este grupo econômico, o que atesta a excelente qualidade das produções brasileiras de medicamentos.
  • Nafta (3):  o Brasil produz alguns antibióticos cefalosporinicos e a sua exportação para países do Nafta, especialmente os EUA, não é desprezível. A Cacex registrou em 2019 a exportação de US$ 5.233.108,00 destes antibióticos para estes países do Nafta.
Farma-E-Flashes – 182
  • Mercosul (1): as dificuldades econômicas da Argentina em 2019 afetaram as exportações da cadeia produtiva farmacêutica brasileira para o nosso principal parceiro deste bloco econômico. Assim, as exportações de medicamentos no ano passado naquela direção alcançaram US$ 125.868.397,00, número que poderia ser bem maior.
  • Mercosul (2):   as vacinas para uso veterinário produzidas no Brasil têm boa aceitação nos países do Mercosul, especialmente a usada contra a febre aftosa. Em 2019, foram exportados para este bloco econômico do sul US$ 4.852.228,00 em vacinas de vários tipos.
  • União Europeia:  ancorada nas exportações de medicamentos à base de insulina, a União Europeia é o bloco econômico que mais importa medicamentos do Brasil, pois ele recebeu do Brasil em 2019, a robusta soma de US$ 194,7 milhões em medicamentos classificados nas posições 3003 e 3004 da NCM.
Farma-E-Flashes – 181
  • Canadá: este país do norte é o principal destino das nossas exportações de virginiamicina (NCM 2941.90.83), antibiótico usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. Assim em 2019 enviamos àquele país US$ 27.482.278,00 deste farmoquimico.
  • Itália:  US$ 23.477.658,00 foi o montante exportado pelo Brasil em 2019 em ácidos biliares (NCM 2918.19.29). Extraídos da bílis bovina estes ácidos apresentam atividades coleréticas e colagogas.
  • Japão:  o Brasil enviou ao país do sol nascente em 2019, US$ 14.231.126,00 em alguns aminoácidos muito importantes na alimentação parenteral. Pelas suas características o Brasil é um dos grandes produtores de aminoácidos, inclusive usando a tecnologia japonesa em sua fabricação. Os aminoácidos representam para o Brasil uma destacada fonte de divisas.
Farma-E-Flashes – 180
  • Alemanha: o país germânico não é um importante país importador de produtos da cadeia produtiva farmacêutica brasileira. Contudo, vale a pena registrar que exportamos em 2019 para aquele país 684 kg de pilocarpina (e seus sais) por US$ 2.152.041,00, ao preço médio de US$ 3.146,26/kg. A pilocarpina é usada no tratamento do glaucoma.
  • México (1):   os nossos laços comerciais com o país asteca são antigos e sólidos. Em 2019 exportamos para aquele país US$ 106.309.548,00 em medicamentos de variados tipos, embalagens e concentrações, com ótimos resultados para as nossas empresas.
  • México (2):  nas exportações brasileiras de farmoquimicos para o México destacou-se em 2019 o envio de US$ 2.456.807,00 em lisina, seus sais e ésteres. A lisina é um importante aminoácido para o desenvolvimento e manutenção do corpo humano.
Farma-E-Flashes – 179
  • Malásia (1): a heparina purificada produzida no Brasil tem neste país asiático um mercado que importa regularmente do País este importante farmoquimico. Assim, em 2019, naquela direção foram enviados 932 kg de heparina por US$ 5.290.300,00 ao preço médio de US$ 5.676,29/kg.
  • Malásia (2):  ainda a Malásia é o destino de parte da produção nacional de medicamentos à base de insulina, tendo aquele país recebido em 2019 US$ 3.520.756,00 deste tipo de medicamento.
  • Malásia (3): o Brasil é um destacado produtor mundial de aminoácidos e os exporta para várias partes do mundo. É o caso da Malásia que recebeu, em 2019, US$ 4.853.201,00 em ácido glutâmico aqui produzido. Esta foi uma excelente contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
Farma-E-Flashes – 178
  • Índia (1): o segundo país mais populoso do mundo, a Índia é um grande mercado em potencial para os produtos da cadeia produtiva farmacêutica brasileira. Com destaque para os medicamentos produzidos aqui à base de insulina (US$ 6.123.308,00). O país indiano recebeu do Brasil, em 2019, US$ 13.651.606,00 em medicamentos de várias categorias.
  • Índia (2):  a biles bovina é fonte de produção de ácidos biliares, que apresentam ações colerética e colagoga. Apesar da distancia ( o que onera os fretes) o Brasil enviou para a Índia em 2019, o expressivo valor de US$ 34,9 milhões deste produto.
  • Itália:  o país romano foi em 2019 um destacado importador da heparina purificada produzida no Brasil. Para lá foram 625 kg deste farmoquimico, rendendo US$ 2.303.485,00 para as nossas exportações, ao preço médio de US$ 3.685,85/kg.
Farma-E-Flashes – 177
  • Colômbia (1): as exportações brasileiras de medicamentos encontram neste país bolivariano um excelente mercado em potencial. Já em 2019 estas exportações de medicamentos atingiram a significativa soma de US$ 53.745.065,00.
  • Colômbia (2):   o mercado colombiano recebe, favoravelmente, as preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil. Assim é que em 2019 estas exportações contribuíram com US$ 5.895.829,00, resultado altamente positivo.
  • Espanha:  organizado para importar do Brasil o complexo de heparina (primeira fase de produção da heparina purificada), este país ibérico recebeu do País em 2019 a importante quantia de US$ 19.626.920,00 (77.431 kg) ao preço médio de US$ 253,47/kg.
Farma-E-Flashes – 176
  • Argentina:  como parceira do Mercosul, este país austral é um destino seguro para as nossas exportações de medicamentos. Em 2019 remetemos para a Argentina US$ 98.315.556,00 em medicamentos dos mais variados tipos.
  • China (1):  este país asiático, embora grande produtor e exportador de heparina, importante anticoagulante, foi em 2019 o principal importador de heparina purificada produzida no Brasil. Foram enviados àquele país no ano passado 2.184 kg de heparina por US$ 7.685.887,00, ao preço médio de US$ 3.519,18/kg.
  • China (2):  outro destaque nas exportações para a China em 2019 foram os medicamentos à base de cefalosporinas, cujo valor alcançou US$ 15.287.895,00, uma excelente contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
Farma-E-Flashes – 175
  • sulfato de condroitina:  condroprotetor, este farmoquimico é extraído da cartilagem de aves, bovinos e suínos e usado no tratamento de artroses em particular. Em 2019, foram enviados ao exterior US$ 6.847.722,00 deste farmoquimico, com grandes possibilidades de aumento em 2020.
  • Vacinas veterinárias:   embora restrita aos países da América do Sul, as exportações de vacinas para uso veterinário atingiram US$ 25,3 milhões em 2019, com destaque para a vacina contra a febre aftosa, da qual o Brasil é importante produtor.
  • Contraceptivos: as preparações químicas com esta atividade não são considerados medicamentos. Contudo, as suas exportações são expressivas e destinadas principalmente a países da América Latina. US$ 31,8 milhões foi o total exportado em 2019 deste tipo de produto.
Farma-E-Flashes – 174
  • Ésteres e sais de lisina: o código NCM 2922.41.90 registrou em 2019 uma exportação de US$ 23,5 milhões, bem abaixo dos registros das exportações dos anos anteriores. Contudo, ela ainda representa uma importante contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
  • Celulose microcristalina:  este é um dos excipientes mais usados pela indústria farmacêutica, especialmente na produção de comprimidos. Como importante produtor deste insumo, o Brasil exportou em 2019, US$ 19,4 milhões do mesmo, para várias partes do mundo.
  • Cefalosporinas:  o País produz alguns derivados cefalosporânicos, inclusive com exportações para os EUA. Esta faixa de antibióticos é muito usada pela classe médica e o Brasil exportou em 2019, US$ 12,8 milhões destes farmoquimicos.
Farma-E-Flashes – 173
  • virginiamicina: este antibiótico, dos poucos produzidos no Brasil, é usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. O destino destas remessas é, basicamente, o Canadá. Em 2019, foram exportados US$ 28,5 milhões, excelente contribuição às nossas exportações de produtos manufaturados.
  • ácido glutâmico:  um dos mais importantes aminoácidos, esta molécula é fundamental para o desenvolvimento e manutenção do corpo humano. As suas exportações em 2019 contribuíram com US$ 23,7 milhões para o desempenho do nosso comércio exterior.
  • Outras argininas:  classificadas no código NCM 2925.29.19, estes farmoquimicos são peças fundamentais no arsenal terapêutico à disposição da classe médica. Os US$ 21,1 milhões destas argininas exportados em 2019, testemunham a pujança da nossa produção de aminoácidos, com as melhores tecnologias disponíveis.
Farma-E-Flashes – 172
  • Ácidos biliares: exportados sob a forma de bile bovina, estes ácidos apresentam atividade colerética e, também, colagoga. Em 2019, foram enviados ao exterior US$ 59,3 milhões destes produtos representando importante apoio às nossas exportações de produtos manufaturados.
  • heparina:   produtor por vocação, o Brasil exportou em 2019, US$ 46,3 milhões deste anticoagulante, ao preço médio de US$ 544,76/kg. Lamente-se o fato deste preço médio ser tão baixo em relação ao preço internacional do produto purificado.
  • Outros aminoácidos:  o Brasil é um destacado produtor mundial de aminoácidos, a expressão mais simples das proteínas. No ano passado as exportações de outros aminoácidos (NCM 2922.49.90) alcançaram US$ 42,2 milhões, sendo direcionadas a várias partes do mundo, especialmente o Japão.
Farma-E-Flashes – 171
  • Dezembro (1):  encerrado o ano de 2019, as exportações da cadeia produtiva farmacêutica brasileira situam-se nos mesmos níveis alcançados em 2018, atingindo US$ 1,721 bilhão com aumento de 2,1% sobre o ano anterior, numero inferior às reais possibilidade mercadológicas.
  • Dezembro (2):  do total anterior, US$ 948,3 milhões corresponderam às exportações de medicamentos em suas variadas formas farmacêuticas (NCM 3002, 3003 e 3004), bem como em suas diversas formulações.
  • Dezembro (3):  as exportações de insumos farmacêuticos em 2019, tanto ativos como excipientes foram destaque, pois alcançaram US$ 773,1 milhões, sendo US$ 627,7 milhões de farmoquimicos e US$ 145,4 milhões de adjuvantes farmacotécnicos. Alguns destes insumos se destacaram nas exportações de 2019.
2019
Farma-E-Flashes – 170
  • ácido glutâmico: embora este ácido não seja um aminoácido essencial para o desenvolvimento humano, contudo ele é muito importante no metabolismo dado o seu envolvimento nas neurotransmissões. Produzido no Brasil, a sua exportação é altamente representativo pois em 2019, até  novembro, foram enviados ao exterior US$ 22,5 milhões deste aminoácido.
  • Contraceptivos:  as preparações químicas contraceptivas (NCM 3006.60.00), ainda que não sejam considerados medicamentos, têm um peso importante no comercio exterior brasileiro. Em 2019, até novembro foram exportados US$ 29,6 milhões, com um fluxo de comercio da ordem de US$ 92,4 milhões.
  • Vacinas veterinárias:  a produção da vacina contra a febre aftosa no Brasil, ajuda, e muito, a aumentar as exportações de vacinas veterinárias, especialmente dirigidas a países da América do Sul. Em 2019, até novembro, exportamos US$ 23,2 milhões destas vacinas, tendo as exportações da vacina contra a aftosa atingido US$ 3,7 milhões neste mesmo período.
Farma-E-Flashes – 169
  • histidina: este farmoquimico é um aminoácido essencial para o desenvolvimento humano. O Brasil exportou nos primeiros onze (11) meses de 2019, 450.151 kg por US$ 8.067.274,00 ao preço  médio de US$ 17,92/kg, para vários países mundo afora.
  • virginiamicina:  destinado a uso veterinário, este antibiótico é usado como antibacteriano e promotor do crescimento. Com exportação direcionada para o Canadá, o Brasil exportou em, 2019, até novembro, US$ 26,0 milhões para um peso de 305.830 kg, ao preço médio de US$ 85,01/kg.
  • quercetina:  amplamente distribuído no reino vegetal, este glicosídeo é obtido de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). Suas exportações, especialmente para a União Europeia, alcançaram US$ 4.638.189,00 em 2019, até novembro. A quercetina é usada no tratamento da fragilidade capilar venosa.
Farma-E-Flashes – 168
  • Heterosídeos: o Brasil produz alguns produtos derivados de plantas, classificados  nestas categorias (NCM 2938). Em 2019, até novembro foram exportados US$ 8.530.766,00 destas substâncias, para varias partes do mundo.
  • sulfato de condroitina:  este farmoquimico é extraído de cartilagem de aves, bovinos e suínos e é útil no tratamento das artrites e artroses. Tem-se mostrado um mercado internacional importante. Foram exportados deste farmoquimico em 2019, até novembro, 55.617 kg, por US$ 6.068.556,00 ao preço médio de US$ 109,11/kg.
  • heparina:  um dos principais anticoagulantes usados pela classe médica, a heparina é produzida  no Brasil, tendo em vista os seus extensos rebanhos bovino e suíno. Nos primeiros onze (11) meses de 2019, foram enviados ao exterior 78.253 kg por US$ 41,9 milhões ao preço  médio de US$ 547,90/kg.
Farma-E-Flashes – 167
  • Antibióticos: embora a produção brasileira esteja, hoje, substancialmente reduzida a poucos itens, contudo as suas exportações atingiram em 2019, até novembro, a cifra de US$ 44,8 milhões com destaque para as cefalosporinas que contribuíram com US$ 12,8 milhões deste total.
  • Cápsulas de gelatina digeríveis:   este é um fundamental item para a produção de medicamentos. No passado as exportações de cápsulas eram bem representativas na pauta de exportação de manufaturados. Até novembro de 2019, exportamos, apenas, US$ 1.384.487,00 deste produto.
  • espironolactona:  com ação diurética este farmoquimico é produzido no Brasil e tem mercado externo especialmente na Argentina. Foram enviados ao exterior em 2019, ate novembro, US$ 844.578,00 deste produto, para 1.651 kg, ao preço  médio de US$ 511,56/kg.
Farma-E-Flashes – 166
  • Novembro (1):  a poucos dias do final de 2019, as exportações brasileiras da cadeia produtiva farmacêutica continuam  mantendo os mesmos  níveis de 2018. Assim, até novembro de 2019, estas exportações alcançaram US$ 1,588 bilhão, o que não deixa de ser uma excelente contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
  • Novembro (2):  as exportações de medicamentos em 2019, até novembro, contabilizaram US$ 873 milhões, valor ligeiramente superior ao alcançado em 2018 no mesmo período.
  • Novembro (3):  já a exportação de insumos farmacêuticos até novembro de 2019, tanto ativos como excipientes, mostram um desempenho mais favorável de que em 2018 na mesma data. O total da exportação foi de US$ 715 milhões, sendo US$ 581 milhões em farmoquimicos e US$ 134 milhões em adjuvantes farmacotécnicos.
Farma-E-Flashes – 165
  • Ácidos biliares: estes ácidos orgânicos encontram-se na bile animal. Desta o Brasil exportou em 2019, até outubro, a importante cifra de US$ 49,8 milhões, especialmente para a Índia e Itália. Estes ácidos apresentam ação colerética e, também colagoga.
  • Vacinas humanas:  já é sabido que o Brasil não é um destacado produtor de vacinas para uso humano, sendo as suas importações muito elevadas. Contudo, em 2019, até outubro, conseguimos enviar ao exterior US$ 7.965.047,00 deste tipo de vacina.
  • Vacinas veterinárias:  já as exportações de vacinas para uso veterinário são mais expressivas, em função das exportações de vacinas contra a febre aftosa para países da América Latina. Assim, estas exportações em 2019, até outubro, nos trouxeram US$ 19.459.826,00 em divisas.
Farma-E-Flashes – 164
  • celulose microcristalina: este excipiente é um dos mais usados pela indústria farmacêutica em todo o mundo. Nos primeiros dez (10) meses de 2019, o Brasil enviou ao exterior 5.685 toneladas, recebendo US$ 16,1 milhões ao preço  médio de US$ 2,82/kg.
  • Contraceptivos:  embora não sejam medicamentos, contudo a exportação de preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil contribuiu bastante para o desempenho do setor em 2019, até outubro. Vendemos lá fora US$ 27,0 milhões destas preparações.
  • quercetina:  ao preço médio de US$ 50,54/kg o Brasil exportou até outubro de 2019 a cifra de US$ 3.938.322,00. Este alcaloide, extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro é usada no tratamento da fragilidade capilar venosa.
Farma-E-Flashes – 163
  • pilocarpina: este farmoquimico é um alcaloide extraído da planta jaborandi, cultivada no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). E usado no tratamento do glaucoma. Vale registrar que a sua exportação em 2019, até outubro, foi de US$ 4.263.429,00 ótima contribuição às nossas exportações.
  • heparina:  estrela do arsenal terapêutico, este anticoagulante é extraído da mucosa intestinal de bovinos e suínos. Com a atual devastação que a peste suína vem causando na China, há possibilidade que as nossas exportações de heparina aumentem substancialmente. Até outubro de 2019, exportamos 71.135 kg por US$ 38,1 milhões, ao preço  médio de US$ 535,34/kg.
  • virginiamicina:  antibacteriano e promotor do crescimento em veterinária este antibiótico é um dos poucos ainda produzidos no Brasil. Em 2019, até outubro, exportamos US$ 24,3 milhões deste produto, cujo destino principal foi o Canadá.
Farma-E-Flashes – 162
  • Outubro (1): as exportações brasileiras da cadeia produtiva farmacêutica atingiram, em 2019, até outubro, a cifra de US$ 1,431 bilhão, valor em linha com as exportações de 2018, no mesmo período. Estas exportações foram direcionadas para várias partes do mundo.
  • Outubro (2):  vale destacar que do valor acima 784,7 milhões foram arrecadados com as exportações de medicamentos dos mais variados tipos, o que mostra a excelência das nossas produções.
  • Outubro (3):  dado interessante é o de que as exportações de insumos farmacêuticos nestes primeiros dez (10) meses de 2019, chegaram a US$ 646,3 milhões, sendo US$ 525,1 milhões em farmoquimicos  e US$ 121,2 milhões em excipientes ou adjuvantes farmacotécnicos. Estas exportações de insumos farmacêuticos representam uma excelente contribuição para as exportações brasileiras de manufaturados.
Farma-E-Flashes – 161
  • Malásia: Kuala Lumpur é um destino regular da produção brasileira de heparina, potente anticoagulante, extraído da mucosa intestinal de bovinos e suínos. Em 2019, até setembro, enviamos àquele país US$ 3.953.152,00 em heparina (744 kg), ao preço  médio de US$ 5.313,38/kg.
  • China:  os medicamentos contendo cefalosporinas (antibióticos) produzidos no País têm um bom mercado neste país asiático. Até setembro de 2019, foram destinados à China US$ 11.064.151,00 em medicamentos à base de cefalosporinas, excelente contribuição às nossas exportações.
  • Índia:  este país asiático encontra-se no radar das nossas exportações de farmoquimicos. Curiosamente, nestes primeiros nove (09) meses de 2019, exportamos para o continente indiano US$ 27,8 milhões em ácidos biliares, valor altamente representativo.
Farma-E-Flashes – 160
  • histidina: este é um aminoácido essencial, importante para o desenvolvimento humano. Produzido no Brasil, este farmoquimico teve em 2019, até setembro, uma excelente exportação que alcançou, neste período, US$ 7.206.018,00.
  • lisina:  os aminoácidos representam a expressão mais simples das proteínas, estruturas moleculares indispensáveis ao crescimento e manutenção do corpo humano. US$ 15,8 milhões foi o montante exportado pelo Brasil nos primeiros nove (09) meses de 2019, de lisina e seus compostos.
  • China:  embora distante, o mercado chinês absorve alguns medicamentos produzidos no Brasil. O montante enviado àquele país asiático em 2019, até setembro, foi de US$ 13.472.564,00, o que atesta o excelente alcance das nossas produções de medicamentos.
Farma-E-Flashes – 159
  • Medicamentos (1): as exportações de medicamentos contendo antibióticos são destaque nas exportações da cadeia produtiva farmacêutica brasileira. Com efeito, nos primeiros nove (09) meses de 2019, o Brasil enviou ao exterior US$ 94,7 milhões deste tipo de medicamento.
  • Medicamentos (2):  os medicamentos mais exportados pelo País são aqueles elaborados à base de insulina. A insulina é o hormônio mais usado em todo o mundo, para combater a diabete. Em 2019, até setembro, foram remetidos ao exterior US$ 144,2 milhões deste fármaco.
  • Medicamentos (3):  os medicamentos contendo cefalosporinas (antibióticos) apresentaram uma excelente  contribuição às exportações brasileiras de manufaturados nos primeiros nove (09) meses de 2019. Neste período enviamos US$ 48.214.767,00 deste medicamentos para vários países.
Farma-E-Flashes – 158
  • Heterosídeos: o Brasil produz outros alcaloides extraídos de plantas além da pilocarpina, da rutina e da quercetina. Sob o NCM 2938.90.90 (outros heterosídeos) foram exportados em 2019, até setembro, US$ 6.694.379,00 destes farmoquimicos (44.675/kg), ao preço  médio de US$ 149,85/kg.
  • espironolactona:  esta produção brasileira tem, na exportação à Argentina, seu destino prioritário. Potente diurético, a espironolactona contribuiu com US$ 819.097,00, em 2019, até setembro, para as exportações brasileiras de farmoquimicos.
  • Vacinas veterinárias:  com destaque para a exportação da vacina contra a febre aftosa, o Brasil exportou em 2019, até setembro, US$ 17.249.460,00 em vacinas para uso veterinário. O destino principal foram os países da América do Sul.
Farma-E-Flashes – 157
  • Vacinas humanas: a nossa produção local deste tipo de vacina ainda é pequena, e por consequência também as nossas exportações. Mesmo assim conseguimos em 2019, até setembro, enviar ao exterior US$ 7.963.018,00 destas vacinas.
  • Contraceptivos:  US$ 24,4 milhões em preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil foram exportados, especialmente para países da América Latina, nos primeiros nove (09) meses de 2019, uma excelente contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
  • quercetina:  é um alcaloide extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) e utilizado no tratamento da fragilidade capilar venosa. Em 2019, até setembro, foram exportados 73.953 kg, por US$ 3.767.834,00, ao preço  médio de US$ 50,95/kg.
Farma-E-Flashes – 156
  • virginiamicina: este é um dos poucos antibióticos atualmente produzidos no Brasil. Ele é usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. As exportações deste farmoquimico estão dirigidas basicamente ao Canadá e alcançaram em 2019, até setembro, US$ 21,3 milhões.
  • celulose  microcristalina:  as exportações brasileiras deste excipiente são altamente  representativas na nossa pauta de exportação, eis que até setembro de 2019, foram enviados ao exterior US$ 14,7 milhões deste adjuvante farmacotécnico.
  • ácido glutâmico:  o ácido glutâmico é um aminoácido muito importante no desenvolvimento e manutenção do corpo humano. O Brasil é um destacado produtor mundial deste ácido e suas exportações nos primeiros nove (09) meses de 2019, atingiram US$ 18,3 milhões,  tendo como destino várias partes do mundo.
Farma-E-Flashes – 155
  • heparina: este anticoagulante é um dos mais importantes itens da exportação brasileira de farmoquimicos. Extraída da mucosa intestinal de bovinos e suínos, a sua potencialidade de produção é enorme, em função do tamanho dos rebanhos brasileiros. Em 2019, até setembro, foram exportados 64.056 kg deste produto para US$ 33,6 milhões, ao preço  médio de US$ 524,72/kg.
  • ácidos biliares:  também obtido por processo extrativo (da bile animal) estes ácidos apresentam ação colerética e, também, colagoga. Até setembro de 2019, foram exportados US$ 45,7 milhões destes ácidos.
  • pilocarpina:  agora do reino vegetal, a pilocarpina é extraída de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). Usada amplamente no tratamento do glaucoma, as suas exportações em 2019, até setembro, contribuíram com US$ 3.849.731,00 em divisas para o País.
Farma-E-Flashes – 154
  • setembro (1): aproximando-se o final do ano, as exportações brasileiras da cadeia produtiva farmacêutica brasileira, até agosto de 2019 continuam se mantendo nos mesmos níveis de 2018. Assim nestes primeiros nove (09) meses de 2019, esta cadeia exportou US$ 1,293 bilhão para vários países mundo a fora.
  • setembro (2):  do valor acima, US$ 711,6 milhões correspondem às exportações de medicamentos neste mesmo período (09 meses) de 2019, destinados a vários países.
  • setembro (3):  as exportações de insumos farmacêuticos registraram US$ 582,3 milhões em 2019, sendo US$ 472,2 milhões em farmoquimicos e US$ 110,1 milhões em excipientes, representando boa contribuição para as exportações brasileiras de produtos manufaturados.
Farma-E-Flashes – 153
  • espironolactona: este é um destacado diurético no arsenal terapêutico usado no País. Produzido aqui, as nossas exportações deste farmoquímico alcançaram em 2019, até agosto, US$ 818.962,00. O principal destino destas exportações é a Argentina.
  • Medicamentos (1):  as exportações brasileiras de medicamentos à base de cefalosporinas são muito representativas no total das mesmas. Com efeito, até agosto de 2019, o Brasil enviou ao exterior US$ 41,2 milhões deste tipo de medicamento.
  • Medicamentos (2): outros tipo de medicamento aqui produzido, apresentando valores destacados nas exportações são os medicamentos elaborados à base de sulfas. US$ 16.019.785,00 deste tipo de fármaco foram enviados ao exterior em 2019, até agosto.
Farma-E-Flashes – 152
  • Argininas: a arginina é um aminoácido essencial ao desenvolvimento do corpo humano. Além disto ela é precursora do óxido nítrico, composto este relacionado a várias funções fisiológicas, inclusive a inibição da agregação plaquetária. O Brasil produz arginina e exportou em 2019, até agosto, US$ 13,3 milhões destes farmoquímicos.
  • quercetina: é um alcaloide extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) com uso no tratamento da fragilidade capilar venosa. Em 2019, até agosto, exportamos US$ 3.061.418,00 deste produto.
  • histidinaprecursora da histamina, este aminoácido é essencial para o desenvolvimento do corpo humano. O Brasil exportou, nos primeiros oito (08) meses de 2019, a expressiva soma de US$ 7.206.018,00 deste farmoquimico para várias partes do mundo.
Farma-E-Flashes – 151
  • Aminoácidos: muito importantes no desenvolvimento e manutenção do corpo humano, alguns deles são fabricados no Brasil, que aliás é um dos grandes produtores mundiais destas moléculas, fabricadas aqui com tecnologia japonesa. Em 2019, até agosto, exportamos US$ 81,1 milhões destes farmoquímicos.
  • Celulose microcristalina: este é um dos excipientes mais usados na indústria farmacêutica, especialmente na produção de comprimidos. Nos primeiros oito (08) meses de 2019, o Brasil exportou 4.869.488 kg por US$ 13.670.208,00 ao preço médio de US$ 2,81/kg deste adjuvante farmacotécnico.
  • manitol: além da sua ação diurética, o manitol é muito usado como excipiente pela indústria farmacêutica mundial. Produtor deste insumo, o Brasil exportou em 2019, até agosto, a importante soma de US$ 4.436.970,00. O nosso mercado externo é, particularmente, o japonês.
Farma-E-Flashes – 150
  • Ácidos biliares: estes ácidos que apresentam uma ação colerética e, também, colagoga são usados amplamente no mercado farmacêutico internacional. O Brasil é um forte exportador destes produtos (sob a forma de bile) tendo em 2019, até agosto, alcançado US$ 40,1 milhões com estas exportações.
  • Preparações anticonceptivas:  as preparações químicas anticonceptivas produzidas no País tem um mercado bastante fiel em vários países da América do Sul. Nos primeiros oito (08) meses de 2019, foram enviados ao exterior US$ 21,2 milhões destas preparações.
  • Cefalosporinas: o Brasil produz alguns tipos de cefalosporinas, assim, em 2019, até agosto, foram exportados 17.172 kg destes antibióticos por US$ 9.517.389,00 ao preço médio de US$ 554,24/kg.
Farma-E-Flashes – 149
  • Medicamentos: o medicamento mais exportado pelo Brasil é o elaborado à base de insulina. Enviado a vários países ao redor do mundo, a sua exportação em 2019, até agosto, rendeu a expressiva soma de US$ 129,5 milhões, atestando assim a excelente qualidade dos medicamentos produzidos no País.
  • Vacinas veterinárias:principalmente destinadas a países da América do Sul, as vacinas para uso veterinário têm um bom mercado nestas áreas, especialmente as usadas contra a febre aftosa. Em 2019, até agosto, foram exportados US$ 15.004.176,00 destas vacinas.
  • virginiamicina: este antibiótico é de uso exclusivo em veterinária. Exportado em sua quase totalidade para o Canadá, ele é usado como antibacteriano e estimulante do crescimento. As suas exportações em 2019, até agosto, alcançaram US$ 19.413.658,00, para 224.550 kg, ao preço médio de US$ 86,46/kg.
Farma-E-Flashes – 148
  • heparina: este potente anticoagulante amplamente usado no Brasil e no mundo é extraído da mucosa intestinal de bovinos e suínos. A exportação deste farmoquímico em 2019, até agosto, rendeu ao País US$ 27,5 milhões em divisas, diga-se de passagem, muito bem-vindas.
  • sulfato de condroitina: produto constante na nossa pauta de exportação, ele é um condroprotetor . Extraído de cartilagens de aves, bovinos e suínos, a sua exportação nos primeiros oito (08) meses de 2019 rendeu-nos US$ 4.535.004,00, mercado externo em crescimento.
  • pilocarpina: também é um farmoquímico obtido por processo de extração, neste caso de vegetais. Usado no tratamento do glaucoma, este alcaloide é produzido no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). Em 2019, até agosto, foram exportados 1.156 kg por US$ 3.758.301,00 ao preço médio de US$ 3.251,13/kg.
Farma-E-Flashes – 147
  • Agosto (1): atingimos o oitavo mês de 2019 e as exportações da cadeia produtiva farmacêutica brasileira continuam ao mesmo nível das exportações de 2018 para o mesmo período. Com efeito, em 2019, até agosto, estas exportações alcançaram US$ 1.130,3 milhões, uma excelente contribuição às exportações brasileiras de produtos manufaturados.
  • Agosto (2): do valor acima, US$ 634,2 milhões foram obtidos com as exportações de medicamentos, dirigidas a várias partes do mundo.
  • Agosto (3): os insumos farmacêuticos (ativos e não ativos) contribuíram com US$ 496,1 milhões para estas exportações de 2019, até agosto, sendo US$ 395,7 milhões em princípios ativos (farmoquímicos) e US$ 100,4 milhões em adjuvantes farmacotécnicos.
Farma-E-Flashes – 146
  • China (1): o mercado chinês absorve parte considerável das nossas produções de medicamentos à base de insulina. No que  vai de 2019 (até julho), o Brasil enviou àquele mercado asiático US$ 7.495.015,00 em medicamentos deste tipo.
  • China (2): as argininas (aminoácidos) aqui produzidos fazem parte das exportações brasileiras de farmoquímicos para a China. Na verdade, em 2019, até julho, foram enviados ao referido país asiático a importante soma de US$ 3.590.487,00 cobrindo 835.080 kg, redundado em um preço médio de US$ 4,30/kg.
  • EUAexigente no registro de medicamentos, este país do NAFTA recebeu do Brasil em 2019, até julho, a significativa soma de US$ 50,1 milhões, destes produtos, com preponderância dos medicamentos à base de cefalosporinas. Estas exportações confirmam a alta qualidade da produção de medicamentos no Brasil.
Farma-E-Flashes – 145
  • Ácidos biliares: a exportação de ácidos biliares (bile) é um dos pontos altos das nossas exportações da área farmoquímica. Coléreticos e colagogos estes produtos contribuíram com US$ 33,9 milhões para a nossa pauta de exportações em 2019, até julho.
  • Aminoácidos: estas substâncias representam a expressão mais simples das proteínas, que são estruturas químicas fundamentais no desenvolvimento e manutenção do corpo humano. Nos primeiros sete (07) meses de 2019, foram exportados US$ 490 milhões em aminoácidos, sendo o Brasil um dos principais produtores mundiais.
  • pilocarpina: este alcaloide, extraído da planta Pilocarpus jaborandi Holmes cultivada no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) faz parte da nossa pauta de exportação de produtos manufaturados. Em 2019, até julho, foram enviados ao exterior 1.126 kg por US$ 3.668.759,00 deste farmoquimico, ao preço médio de US$ 3.258,22/kg.

Fale com a gente

  • Quer saber mais sobre o ConsFarm?
  • Quer saber mais sobre a Consultoria Farmoquímica?
  • Quer apoiar esta iniciativa?